AS TRES VERSÕES PARA O FIM DO MUNDO

Estive fazendo uma pesquisa particular sobre os últimos acontecimentos e fazendo uma relação com as profecias de Nostradamus, os tres segredos de Fátima e as previsões climáticas dos cientistas de plantão. Deixando de lado a batalha pela audiência, cheguei a uma conclusão lógica: O nosso planeta Terra e por conseguinte, todos nós, podemos ser dizimados por tres tipos de catástrofes.
Primeiro e mais próximo: Uma guerra nuclear. Estes altos e baixos da diplomacia mundial e as crises que já vieram (crise econômica e do petróleo) e as que ainda virão(a falta de alimentos e diminuição da água limpa para beber), além de um simples mal-entendido diplomático, como este que ocorre atualmente entre líderes mundiais, que não recebem respaldo dentro de seus próprios países, como os Estados Unidos, que tem uma política de reconstrução moral e ética com Barack Obama, sendo boicotado pelos capitalistas, industriais e grandes conglomerados financeiros querem continuar com as guerras e a especulação financeira que trazem lucros fáceis para os seus associados representados pela esposa do ex-presidente Bill Clinton, Hillary.
No Irã e em Israel, também acontecem estas divergências com os novos dirigentes querendo a paz que nunca viveram e os tradicionalistas e fundamentalistas que ainda sentem aquele ódio acumulado por muitos séculos de conflito. Aliás, por falar em ódio, é o que vemos aqui no Brasil, com os tradicionais pseudo-elitistas herdeiros dos antigos coronéis das fazendas paulistas e do nordeste, que estão vendo seus antigos "escravos", sendo alcançados pelo progresso e pelas políticas do atual governo, trazendo-lhes para a cidadania, para os "shoppings" e para os aeroportos, dividindo as poltronas e os lugares com os "ricos e cheirosos almofadinhas".
Esta é uma das probabilidades para uma destruição da humanidade. Na próxima postagem trarei a segunda hipótese também clara e surpreendentemente iminente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS MOVIMENTOS SOCIAIS PERDEM FORÇA COM O NOVO CONGRESSO

PRECONCEITO NÃO É COISA MODERNA