Como Prevenir os acidentes nas casas noturnas

No mundo ideal, no dia seguinte pela manhã todos os jornais das pequenas e médias cidades, os únicos com capilaridade suficiente para fiscalizar as esquinas mais distantes do País, mandariam para as ruas os seus repórteres para contar quantas casas noturnas locais têm condições de reunir multidões com um mínimo de segurança. Junto com órgãos competentes, levantariam alvarás, números de portas corta-fogo, saídas de emergência, tetos com materiais inflamáveis, fios desencapados e normas internas sobre pirotecnias. Os levantamentos, em forma de reportagem, serviriam como vacina e alerta sobre tragédias como as de Santa Maria. E as pessoas, aos poucos, se negariam a pagar fortunas para serem tratadas como gado – em boates, restaurantes, rodeios e outros espaços culturas de aglomeração humana onde pequenas tragédias diárias se repetem todos os dias. Seria bem mais útil do que espetar microfone no rosto de familiares e perguntar: “como se sente?” Mas isso simplesmente não vai acontecer. Casas de shows (como todo negócio) são potenciais anunciantes. E o silêncio é um valor embutido na bem-sucedida parceria entre empresários em busca de lucro, autoridades inoperantes e a imprensa oficialesca Brasil afora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS MOVIMENTOS SOCIAIS PERDEM FORÇA COM O NOVO CONGRESSO

PRECONCEITO NÃO É COISA MODERNA